Não dá pra fazer o primeiro post de 2013 sem um bom encerramento de 2012. E como definir o ano em que o mundo não acabou? O Top 10 cresceu de apenas shows para grandes coberturas e não poderia estar mais grata por tudo de bom que aconteceu nesses últimos doze meses. Para ilustrar, reuni nesta tradicional e despretensiosa lista os melhores momentos desta jovem repórter. Do metal farofa fail em São Luis até minha primeira semana na Califórnia, de shows de graça na praça a grandes festivais, de Dado Villa-Lobos a Joss Stone, tudo listadinho aqui embaixo. Vem comigo?

Foo Fighters @ Lollapalooza

O Foo Fighters nunca esteve tão mainstream, mas ao mesmo tempo é aquele tipo de banda que você sente ciúme mesmo sabendo que todo mundo gosta. Um ano após o lançamento de “Wasting Light”,  o quinteto trouxe não só seu sétimo álbum de estúdio, mas “Monkey Wrench”, “Everlong”, “Times Like These” e uma caralhada de clássicos para a primeira edição do Lolapalooza paulistano. Perdi todos os amigos que ia encontrar e curti o show completamente sozinha da caixa da direita, da caixa da esquerda, do centro do palco, surtando de todos os lados. Claro, eu e toda aquela charmosa simpatia do Dave Grohl.

No Lolla também curti: Joan Jett, Arctic Monkeys, Skrillex, Friendly Fries, MGMT e Gogol Bordello.

Justice @ Sónar

A primeira edição do Sónar chegou na primavera dos festivais paulistanos com bastante força e boas atrações. Chromeo, Justice, Kraftwerk e muita coisa boa desembarcou por aqui pra mostrar que é possível ter uma boa estrutura e bom line-up com um preço acessível, sem extorquir os bolsos dos amantes de música. O live de Gaspard Augé e Xavier de Rosnay foi uma porrada, que também me ensinou que se você consegue escrever bem sobre música eletrônica, você consegue escrever sobre música para qualquer público.

Sobrevivência @ Metal Open Air

Toda vez que alguém comenta sobre “aquele festival de metal no Maranhão que não deu certo”, posso dizer que eu não só vi como sobrevivi aos três dias de caos e muitos metaleiros frustrados pela cidade dos Sarney. Com infra-estrutura precária e pouca música para compensar, vi metaleiros dançando com índias no aeroporto, o pior show do Megadeth (além de ver que o camarim exclusivo da banda se resumia a um banheiro químico especial pro Dave Mustaine) e tive a maior experiência de reportagem in loco até então. Pra quem reclama do arroz e feijão que vemos por aqui, vocês não sabem a farinha com açúcar que foi por lá.

Bastidores do Cirque du Soleil @ Las Vegas

Minha primeira trip pra Las Vegas foi para revirar os bastidores do espetáculo “O”, do Cirque du Soleil, como parte da cobertura do filme em 3D do James Cameron inspirado nos sete shows da trupe canadense na iluminada cidade. Tive aulas de mímica com o protagonista, aprendi como (tentar) contar uma boa piada com um clown e tive a oportunidade de conhecer como cada pedacinho da magia é colocada em prática, num nível muito diferente dos espetáculos que costumo assistir no Brasil. Na volta, ainda rolou fazer uma parada memorável em Nova York, igualmente inesquecível.

Garbage @ Planeta Terra

A Shirley Manson foi meu primeiro modelo de mulher fodona no rock. Tudo o que eu queria ser na adolescência. A adolescência passou, a admiração continuou, mas nada do Garbage passar por aqui. Em 2012 eles lançaram o fraco “Blood For Poopies”, mas cada segundo do show da banda no Planeta Terra foi memorável pra mim. Muitas ressalvas pra “Cherry Lips”, não mais cantada com a voz ingênua de Shirley dos primeiros álbuns. Claro, “I Think I’m Paranoid”, “Stupid Girl” e “Only Happy When It Rains” também foram de longe meus momentos favoritos no festival. Vale lembrar o aspecto “menininha” do line-up, que também conquistou pelo surf cafoninha do Best Coast e pela diaba da Beth Ditto com o Gossip.

Grammy Latino @ Las Vegas

Como definir o dia em que conheci Caetano e Sônia Braga juntos, dando selinhos e sendo homenageados em uma festa da música latina? Além de ver como grandes agências de notícias (como Reuters e EFE) e todas as revistas sobre música e entretenimento trabalham, o Grammy Latino ficou marcado por uma grande experiência de cobertura de hard news, com textos quentes sendo produzidos pro Brasil em um fuso horário diferente e com muitos mimos da Delta Airlines.

Dado Villa Lobos @ Logo ali na Teodoro Sampaio

Um banquinho, um violão, Dado Villa-Lobos e eu em um estúdio na Teodoro Sampaio. O que poderia ter sido uma entrevista comum foi uma das minhas favoritas no ano. Primeiro porque minha mãe, fã da banda brasiliense de carteirinha, já tinha me feito mil pedidos. Segundo que não é todo dia que você sai da redação pra entrevistar parte da história do rock nacional. Lembro de ter estudado de cabo a rabo a carreira do Dado e a primeira coisa que disse pra ele quando o vi foi relacionar ele ao Rio de Janeiro, sendo que já tinha lido tudo sobre, e claro, que o cara é de Brasília. Outra bacana foi a com a Joss Stone, fofíssima e inspiradora.

Comic-Con @ San Diego

Sem dúvida alguma a Comic-Con de San Diego foi meu ápice momento nerd de 2012. E posso dizer que ainda não acredito que passei por tudo aquilo. Comprar livros e quadrinhos direto das fontes, ver os apoteóticos painéis da Marvel + Robert Downey Jr., ver Tim Burton e Tarantino de pertinho. Às vezes ainda rola uma lágrima de lembrar de todo o berço da cultura pop americana logo ali na minha frente. Fiz a tiete e tirei foto com a Xena, com Hulk, com Batmans e ainda podia sair pelas ruas e ouvir No Doubt nos barzinhos. Nem os maias poderiam prever tanta felicidade.

Que 2013 venha em dobro!

Top 10 gigs @ 2011 – U2, Faith No More, Pearl Jam, LCD Soundsystem, Soulwax/2Many DJ’s
Top 10 gigs @ 2010 – Metallica, Massive Attack, Green Day, Miike Snow e Paul McCartney
Top 10 gigs @ 2009 – Oasis, Killers, Sonic Youth, Iggy Pop, Radiohead e AC/DC