Amigos e amigas deste meu Brasil, 2010 está finalmente acabando e depois de um ano de transformações profundas, conquistas, algumas decepções e projeções de novas metas, venho aqui compartilhar com vocês o humilde top 10 gigs do Malaguetas. E só pra adiantar, esse ano rendeu hein?!

Aproveitando que nossa amada e idolatrada salve-salve terra tupiniquim virou o pote de ouro do entretenimento no último ano da década, listo aqui pra vocês não só os melhores, mas algumas das experiências musicais mais relevantes do ano, agora já com distanciamento crítico e alguns pitacos adicionais. Bora?

Metallica @ Morumbi

O Metallica era uma banda que eu queria ver fazia um bom tempo. A primeira vez que eles vieram para o Brasil eu era muito nova e a segunda, bem, não rolou. Para divulgar seu nono álbum de estúdio, “Death Magnetic”, a banda fez shows em São Paulo e Porto Alegre e tiveram abertura do Sepultura. Não fiz resenha pro Malaguetas porque vi o show de longe, do lado de uma caixa, só ouvi e não sei, achei bem bacana, cantei “Master of Puppets”, “Sad But True”, “Fuel”, mas podia ter sido melhor. A segunda experiência que tive com a banda durante o ano foi a transmissão do Sonisphere junto com os shows do Anthrax, Megadeth e Slayer no cinema. Essa tem resenha, e com pipoca e cerveja aqui >> TRANSMISSÃO DE METALLICA, MEGADETH, ANTHRAX E SLAYER NO CINEMA FAZ SHOW DE METAL VIRAR PROGRAMA PRA CRIANÇA.

Natura Nós @ Chacára do Jockey

O Natura é sempre o festival mais cultizinho do ano, desde as atrações até o conceito de sustentabilidade aplicado com a afirmação de marca que a Natura precisa e que o SWU cambaleou.  O AIR foi uma das bandas mais fantásticas da noite, tanto no espetáculo visual quanto no setlist. Ao contrário do Snow Paltrow que tocou a favorita do público logo de primeira. Jamiroquai encerrou a noite sem “Space Cowboys”, mas ainda assim foi um belo show. Tem resenha feita pelos seguidores do Twitter aqui >> NATURA NÓS @ CHÁCARA DO JOCKEY.

Muita purpurina e hard rock em família: Aerosmith e Bon Jovi

O oitavo lugar precisou ser dividido. O que acontece é que dois gigantes da década de 80 desembarcaram em São Paulo: Aerosmith e Bon Jovi. Para alguns pode parecer um sacrilégio misturar duas bandas tão divertidas em um tópico só. Mas é que eles estiveram muitas coisas em comum. As duas bandas são daquelas que você rola de chorar na fossa na adolescência, aprende a ouvir com os pais, tem os vocalistas mais conquistadores e cativantes e master coxinhas… Ambas tocaram todos os seus clássicos em plena boa forma. Steven Tyler com 62 anos e Bon Jovi aos 48 e deixaram muita gente ofegante na pista. E além de tudo, vi os dois com duas grandes fãs. Fui com minha melhor amiga e maior fã de Aerosmith Àgatha e o Bon Jovi não sabe, mas contou com a ilustríssima (e histérica) presença da minha mãe Alice. Ambos inesquecíveis. Bon Jovi com a mamis mereceu resenha mas não teve =/. Já o Aerosmith você lê aqui AEROSMITH @ PACAEMBU.

Ultra Music Festival @ Chacára do Jockey

- Estefani, topa cobrir um festival na Chácara do Jockey com um monte de DJ que você talvez não conheça?

- CLARO! Bota meu nome aê!

E foi assim que passei um dia todo na Chácara do Jockey besuntada em lama e correndo de um lado pro outro tentando anotar tudo o que rolou na grande atração eletrônica do ano em São Paulo e minha primeira cobertura de festival sozinha. Apanhei com um monte de coisa, mas vi Fatboy Slim, Carl Cox e Moby e ainda deu tempo pra um papinho com a Lovefoxxx do CSS nos bastidores da festança. Essa merece crédito especial pro Peu Caio que além de me ajudar com a resenha, teve a paciência de procurar um motel com wi-fi, bêbado, às 4h da manhã. Parceiragem é isso aí.  A resenha, uma das publicadas no UOL Música, tá aqui >> COM MOBY E FATBOY SLIM, ULTRA MUSIC FESTIVAL REÚNE 20 MIL FÃS DE MÚSICA ELETRÔNICA.

Green Day @ Arena Anhembi

Essa é pros adolescentes da década de 90. Se você é mais velho que isso passe pro próximo ítem, por favor. Com um setlist que contemplou todas as fases da banda, de Dookie a 21 Century Breakdown, de Nimrod a American Idiot, Billie Joe se aventurou e não parou um minuto no palco durante as três horas de show. Além do fatídico fã que cantou “Longview” como gente grande e levou a guitarra da banda. Resenha e vídeos aqui >> GREEN DAY @ ARENA ANHEMBI.

Franz Ferdinand @ Via Funchal

Um dos primeiros shows bacanas do ano, os Franz Ferdinandos voltaram para o país para um show com menos hype e mais música. Impecável, Kapranos se revezou em instrumentos e tocou hits de pista como “Take me Out”, “Bite Hard”, “Walk Away” e “No You Girls”, a música mais ouvida do ano. Tem resenha aqui >> FRANZ FERDINAND @ VIA FUNCHAL.

Massive Attack @ HSBC Brasil

Depois do sucesso de crítica do álbum “Heligoland”, lançado esse ano, o Massive Attack fez um dos shows que mais me impressionaram em termo de recursos visuais e experiência sensorial. Com uma parede de leds e uma seleção de ótimos músicos, o show foi alto e claro como poucos no ano. Tem resenha? Tem aqui >> A EXPERIÊNCIA SENSORIAL QUE FOI O MASSIVE ATTACK NO HSBC BRASIL.

Planeta Terra @ Playcenter

Não foi fácil colocar o Planeta Terra atrás do SWU. E explico pra vocês o porquê. Pra muita gente, o Planeta Terra foi muito mais organizado, teve um line melhor (relativo), mais barato, etc, etc. Mas apesar da apresentação fantástica do Phoenix e Mika no main stage, do Yeasayer no indie e do palco fantástico usando mapping, o Terra foi o festival que estamos acostumados a ver e cumpriu muito bem esse papel. As bandas novas colocaram veteranos como Pavement e Smashing Pumpkins em seus devidos baús e… E mais você lê aqui >> PLANETA TERRA @ PLAYCENTER.

SWU @ Fazenda Maeda

Alvo das maiores críticas do ano, o SWU pecou em muitos pontos, mas também mostrou a que veio. A proposta verde cambaleou, mas no fim “sustentou” o festival. O sistema de som e vídeo falhou, mas quando os shows foram bons, foram bons pra caralho! A comida e o camping deixaram a desejar, o sistema de transporte foi ridículo, mas no último dia, alguns desses pontos estavam melhorando, sinal de que eles entenderam o recado. O público pagou caro, mas cobrou mais ainda. Veja os cinco melhores momentos com Sublime, Queens of the Stone Age, Pixies e Rage Against the Machine e o que aconteceu de pior aqui >> SWU @ FAZENDA MAEDA.

Paul McCartney @ Morumbi

Alguém tem palavras pra descrever esse show? Porque eu ainda não tenho. Chorei, ri, dancei, chorei de novo, ri de novo. Como já diria o rei, tantas emoções… Para poupar vocês dos meus elogios mais cafonas e chumbregas, paro por aqui. Mas esse primeiro lugar, que no ano passado foi do AC/DC, já diz muito pra mim. VEJA A LISTA DE 2009 AQUI.

TAMBÉM VALEU A PENA VER:

Vitalic @ D-Edge – Muita psicodelia visual, som sujo, intenso e pista suada.

Pennywise @ Via Funchal – Minha primeira banda de hardcore favorita e tudo o que isso representa. LEIA AQUI.

Scissor Sisters @ Via Funchal – Balada gay competindo com o segundo dia do show do Paul. LEIA AQUI.

Belle and Sebastian @ Via Funchal – É, quem é fã curtiu. Não sou fã. Mas TEM RESENHA.

Miike Snow @ Popload Gig – Fantástico, misterioso e uma porrada pop. LEIA AQUI.

Erasmo Carlos @ Rolling Stone Party – Ah, o tremendão é o tremendão né? Divertídissimo e com direito a cover de Roberto Carlos.

Rita Lee @ HSBC Brasil – Cheguei atrasada, mas a tempo de dançar e cantar os clássicos da ruiva. LEIA AQUI.

E é isso aí meu povo. Espero que 2011 seja o ano do primeiro top 20 e das primeiras experiências internacionais. Muita bebedeira e diversão pra todo mundo na virada e um novo ano menos filho da puta para todos nós, cuidem-se.

See Ya!