malaguetas
O Malaguetas é feito pela Talaguim.
rolypoly2
em 9.Agosto.2018 por

Graphic novel Roly Poly une kpop lisérgico e tom existencialista

A vida deve ser tocada no volume alto. É o que pensa Phanta, protagonista de Roly Poly, primeira graphic novel do paulistano Daniel Semanas, ilustrador e designer de animação. Recentemente adicionado ao hall de autores da prestigiada Fantagraphics, Daniel usa a história da personagem para colocar alguns de seus próprios questionamentos filosóficos sobre a vida e a fé em pauta. Em “Roly Poly”, a riqueza visual do Kpop encontra na psicodelia uma forma de encher os olhos do leitor de uma forma imersiva. Bati um papo com ele sobre o projeto que será lançado no Brasil pela Mino Editora.   Leia mais

capa-montt
em 29.Outubro.2015 por

Entre o céu e o inferno com Alberto Montt

Enquanto conversamos sobre religião, Quino e língua espanhola, os olhos do quadrinista Alberto Montt buscam os traços nos meus braços, na capa do caderno de anotações e nos adesivos que seguro na mão. Para o chileno, a ilustração não é apenas o seu caminho para conversar com o mundo, mas também uma forma de encontrar respostas para perguntas como: Existe céu ou inferno? Quem tem mais seguidores, Deus ou o diabo? E se Jesus lesse Nietzsche?  Leia mais

fefe-torquato
em 8.Outubro.2015 por

Fefê Torquato instiga: “Quem é você quando ninguém está olhando?”

Por trás das próprias cortinas, a quadrinista catarinense Fefê Torquato ilustra as cenas que observa através das frestas, imaginando histórias para as pequenas cenas que presencia como espectadora do cotidiano. Sua janela não é indiscreta e perigosa como a de Hitchcock, mas é tão provocativa quanto: “O que você faz quando ninguém está olhando? Ou ainda, quem seria você, se alguém te observasse secretamente?”.  Leia mais

lili-carre-malaguetas
em 28.Setembro.2015 por

O universo imprevisível de Lilli Carré

A Fantagraphics é essa editora incrível pra descobrir quadrinhos e novos artistas. A americana Lili Carré, de Los Angeles, não é tão nova, mas tem um ritmo de produção frenético, o que sempre reserva algumas surpresas fresquinhas. É certo que toda a ilustração começa com um traço no papel, mas com Carré, você nunca sabe onde ele vai terminar.    Leia mais

Older Posts