No início da década de 1990, quando o grunge desfrutava seu auge, o Radiohead era apenas mais uma banda tentando decolar, inspirada pelo sucesso e pelas músicas do Nirvana. E foi aproveitando a atmosfera alternativa e o espírito “faça você mesmo” da época que o quinteto inglês lançou “Pablo Honey”, álbum que completa 20 anos em 2013.

Muito longe das experimentações eletrônicas inventivas que o Radiohead cria atualmente, “Pablo Honey” é, essencialmente, um disco de rock alternativo. Com a combinação de poucos acordes e letras que misturam as frustrações da geração e sentimentos pessoais de Thom Yorke (o líder da banda e personagem “esquisitinho” do rock alternativo), o grupo conquistou seu primeiro público com o single “Creep”, que não foi um sucesso imediato.

Pablo+Honey+Deluxe+Edition+Cover

“You”
“Creep”
“How Do You?”
“Stop Whispering”
“Thinking About You”
“Anyone Can Play Guitar”
“Ripcord”
“Vegetable”
“Prove Yourself”
“I Can’t”
“Lurgee”
“Blow Out”
Ficha técnicaLançamento: 22/02/1993
Produção: Produção: Sean Slade, Paul Q. Kolderie
Gravadora: Parlophone
Duração:42’11”

“Creep” foi escrita em 1987 pelo vocalista, quando a banda formada pelos irmãos Jonny (guitarrista) e Colin Greenwood (baixista), junto com o guitarrista Ed O’Brien e o baterista Phil Selway, estava começando a dar os primeiros passos. De acordo com registros da revista “Rolling Stone”, a faixa foi inspirada em um fora que Thom levou de uma menina na Universidade de Exeter, no final dos anos de 1980.

A desilusão rendeu o tema e a faixa foi lançada como single em 1992, mas só conseguiu cativar o público um ano depois, quando o álbum saiu nos Estados Unidos. Na Inglaterra, país natal do grupo, eles só foram aceitos com o lançamento de “The Bends”, de 1995, e aclamados pela crítica com “OK Computer”, de 1997.

Também destaque no álbum são os singles “Anyone Can Play Guitar”, em que Yorke canta que quer ser Jim Morrison, e a melancólica “Stop Whispering”. Ofuscado pelo sucesso de “Creep”, “Pablo Honey” foi condenado, na época, a ser um álbum que tornaria a banda dependente de um único hit.

“Este quinteto estreante inglês realmente não mostra nada que você não tenha ouvido antes. Está próximo ao estilo dos Smiths e tem melodias que tentam ser tão depressivas quanto um The Cure pop. Ocasionalmente, oferece letras inteligentes e bons ganchos”, comentou na época Mario Mundoz, jornalista de música do jornal “Los Angeles Times”.

De 1993 para 2013, o Radiohead cresceu e reinventou cada álbum, soando por vezes como uma outra banda, agora premiada, com shows esgotados e respeitada no cenário musical. De porta-voz dos esquisitos, Thom Yorke se tornou ícone cool, mas algumas coisas permanecem iguais a duas décadas atrás: a formação, a voz e as dancinhas do vocalista.

Apuração para UOL Música.