Ao mesmo tempo que absorve tendências mundiais da fine art, a arte de rua nordestina mantém impressa a cultura local com uso de xilogravuras, pixos e personagens do folclore brasileiro. Quem acompanha o blog, já leu a entrevista que fizemos com o artista Narcélio Grud em “Banksy é Cearense”. Neste ano, o Narcélio lançou “A Arte Urbana do Nordeste do Brasil”, um livro com 140 artistas que representam este cenário. 

“A presença do grafiteiro não se localizou exclusivamente na emergente nova megalópole que desponta; espalhou-se pelo sertão e pelas serras, assumiu todo o estado”, escreve o jornalista Luciano Morais. “O que quer dizer que é o estatuto da representação que está em jogo: estão estes artistas reconstruindo o mundo real nos muros ou apenas interpretando esse mundo na possibilidade finita do muro? Ai está um desafio fascinante que os estudos do grafite no Nordeste, e porque não no Brasil, deveria enfrentar.”

Ao todo o livro mostra em 270 páginas artistas dos nove estados nordestinos. Reunimos aqui em duas partes, alguns dos artistas e coletivos que ajudam a colorir este cenário. Se você é artista e também quer ver seu trabalho destacado por aqui, envie um email para estefani@malaguetas.blog.br.

Weaver Lima (Ceará) 
Weaver já criou capas de álbuns, expôs na Itália e é um artista plástico entusiasta da cena independente cearense. Veterano na arte de rua e produção gráfica, seus trabalhos se estendem a curadoria e o Coletivo MONSTRA. Inspirado especialmente por cultura pop e música, nos muros é reconhecido por personagens que levitam nas limitações de um arame farpado.

AIUABA_2013

ARNEIROZ_2013

PARAMBU

TAUÁ

Coletivo CUCO (MARANHÃO)
Formado pela dupla de designers Maria Zeferina e Eduardo Inke, ambos de São Luís, o estúdio Cuco desenvolve projetos gráficos em diferentes mídias. Suas aspirações (e pirações) como artistas digitais são representadas nas ruas com colagens, fotografia, ilustração e geometria.

Untitled-1

1280855_499261623513031_3846294291631465080_n

10169303_499472676825259_5352582301295789762_n

Naldo EF.CO CREW (MARANHÃO)
Parte do coletivo maranhense EF.CO e da nova geração de artistas de São Luís, Naldo descreve o próprio trabalho como “uma metáfora, a visão de um mundo pessoal, sentimentos, vontades e reflexões”. Em mais de uma década trabalhando com ilustração nos muros, retrata cenários lúdicos e abstratos. Seus sentimentos são um muro aberto.

naldo3

Slide 1

Slide 1

Slide 1

Grupo XICRA (CEÁRA)
Formado por Carlos Henrique, Adriano Brito e Franklin Lacerda, o grupo Xícra integra elementos da xilogravura e da ilustração de cordel em cenários urbanos usando lambe lambe. Na performance “Uma Fábula em Cordel”, eles vestem máscaras e misturam poesia e atuação.

1470051_598563440192361_921159454_n

1480616_598562706859101_2025303232_n

xicara

Untitled-2

Bozó Bacamarte (PERNAMBUCO)
Daniel Ferreira da Silva começou a carreira como artista de rua nos coloridos becos de Olinda. Suas intervenções são inspiradas na cultura, histórias e superstições do povo nordestino. Seus traços são inspirados pela xilogravura popular e por artistas surrealistas.

320465_116671988477246_1811216822_n

599755_121186958025749_1670655020_n

1508150_433202576824184_7659964247019556905_n

10373649_452278654916576_1644843939691171927_n

“A Arte Urbana do Nordeste do Brasil”
Coletânea de Narcélio Grud, prefácio de Luciano Morais
275 páginas, por R$ 42,50 na Saraiva