As incoerências e os sentimentos ambivalentes são algo que geralmente queremos esconder, mas não é o que acontece com esta artista anônima que adora rosa, é feminista e usa confissões pessoais em seus trabalhos. No nome, Ambivalently Yours, ela celebra esses sentimentos às vezes conflitantes, mas inseparáveis, que existem em relação a uma situação ou objeto. 

O Tumblr começou em 2012 enquanto ela trabalhava na indústria da moda, uma área que ela ama, mas que tem seus defeitos. Foi abraçando a ambivalência que ela sentia em relação à moda e outras contradições próprias que o projeto nasceu. “Apesar de achar que a moda pode ser uma forma de expressão muito positiva, a indústria é um pouco tóxica”, explica.

“tinha sentimentos dúbios em relação às minhas escolhas e me sentia frustrada em relação às conclusões que as pessoas tiravam sobre mim”

© Ambivalently Yours

“Não sei como você se sente, mas sempre te darei cobertura”

“Infelizmente, foi só começar o curso que as pessoas do universo fashion começaram a me ver como uma ‘estraga-prazeres’ feminista, e as pessoas da escola de arte continuavam a pensar que eu não entendia o feminismo, só porque eu amava moda. Eu tinha sentimentos dúbios em relação às minhas escolhas e me sentia frustrada em relação às conclusões que as pessoas tiravam sobre mim, e foi assim que comecei o Ambivalently Yours.”

Anonimato

Ambivalently Yours – AmbiYours para os íntimos – conta que o desejo de permanecer anônima foi motivado inicialmente pelo medo. Quando o projeto começou, os trabalhos que ela fazia eram críticos principalmente em relação à indústria fashion, a mesma que também a empregava e lhe dava o salário que precisava para viver.

“Decidi que meu projeto seria anônimo para me assegurar que meu trabalho artístico não afetaria minha capacidade de sobreviver. A internet pode ser um lugar volátil e meu trabalho é sempre inspirado por experiências pessoais, então achei que o único jeito com o qual eu poderia ser honesta sem me fazer vulnerável demais era ser anônima.” Em outras palavras, ela explica, o anonimato é uma forma de auto-preservação, que em troca lhe dá coragem para ser mais ousada em seus trabalhos artísticos.

Mas há um limite para tudo, e o anonimato não escapa dessa constatação. Recentemente, a oportunidade de fazer uma residência artística em Glasgow, na Escócia, somada ao desejo de realmente interagir com as pessoas da cidade, significou que ela não poderia mais ser completamente anônima. A solução encontrada foi ser tão anônima quanto possível online, mas de um jeito que lhe permitisse tirar a máscara de vez em quando ao conhecer pessoas na vida real.

762 confissões esperando por respostas

© Ambivalently Yours

“Pouco familiar, mas não muito estranha”

Mais tarde, veio a constatação de que o anonimato permitiu que as pessoas se identificassem com o vácuo de especificidade de sua persona online. “As pessoas geralmente acham que eu vivo nos países onde elas vivem, ou que tenho a idade que elas têm, ou atribuem a mim qualquer outra similaridade que elas próprias estão buscando.”

A maioria dos desenhos de Ambivalently Yours são feitos em resposta às mensagens e questões que o público lhe envia diretamente pelo Tumblr. “Eles são em parte inspirados nas histórias de outras pessoas, mas claro, sempre há um pouco da minha própria experiência de vida influenciando o que eu faço. É meio que uma colaboração entre as pessoas que escrevem para mim e eu mesma. Assim, Ambivalently Yours acaba virando menos uma auto-reflexão e mais uma representação das ideias que estão por trás do trabalho; ela é o meu alter-ego, mais ousado e aberto.”

Os desenhos são feitos com caneta ballpoint e aquarela, além dos ocasionais marcadores ou lápis. É depois de escaneá-los que chega o fundo rosa, cor que ela não esconde amar.

Há quem odeie e há quem ame o trabalho de AmbiYours. “É sempre difícil receber críticas sobre seu trabalho, mas parte do que significa ser artista é ser corajoso o suficiente para aceitar que nem todo mundo vai gostar do que você faz. Tenho muita sorte de que, até agora, recebi mais respostas positivas, o que é muito encorajador e me motiva a continuar desenhando.” Há quem a acompanhe no Tumblr por anos, e ela é muito grata a essa comunidade.

A artista encara seu trabalho como um plano onde ela tenta evitar fazer decisões que alterem toda sua vida, e prefere passar um tempo “indo e voltando” em suas questões pessoais a resolvê-las. “É um ato consciente de indecisão que me permite seguir reavaliando as coisas enquanto, ao mesmo tempo, me tocando de que eu não tenho todas as respostas. Ainda que possa parecer cansativo, para mim tem se tornado mais um lugar criativo e construtivo que eu não sinto que tenho que resolver.”

“Feminismo é mais que uma blusa com os dizeres girl power”

Não há dúvidas: Ambivalently Yours se considera feminista, sim. Ela não se identifica com nenhuma corrente específica do movimento, nem acredita que deve haver apenas um único tipo de feminismo, mas sim que o movimento precisa ser interseccional e fazer reavaliações constantes.

“As pessoas que compartilham experiências bastante pessoais através de sua arte estão fazendo, na verdade, declarações políticas”

Para entender a recente onda de trabalhos confessionais de mulheres como Lena Dunham que tem sido vista na televisão e nos filmes, a artista cita um conceito de Carol Hanisch. “‘O pessoal é político’. Nossas histórias pessoais refletem situações políticas maiores que elas. Isso significa que as pessoas que compartilham experiências bastante pessoais através de sua arte estão fazendo, na verdade, declarações políticas. E no caso das feministas, elas frequentemente mostram como uma sociedade patriarcal pode influenciar de forma negativa as vidas pessoais das mulheres.”

“Meu trabalho é sobre compartilhar emoções online”

Para ela, esse processo permite que movimentos como o próprio feminismo se tornem mais próximos às pessoas, que elas podem se relacionar com suas ideias. ”Meu trabalho é sobre compartilhar emoções online. As pessoas me enviam suas histórias, e eu respondo com desenhos ou mais histórias, e então outros compartilham e adicionam suas próprias perspectivas à conversa. Todo o processo, todas essas conversas, é assim que os movimentos políticos começam e são assim que eles se mantêm.” Entre seus heróis pessoais, estão Kathleen Hanna, Frida Kahlo e Buffy Summers.

© Ambivalently Yours

“Gosto de você, mas não quero ser como você”

 

"Emoções são difíceis de curar e terríveis para desperdiçar"

“Emoções são difíceis de curar e terríveis para desperdiçar”

Porém, ela acredita que não é muito bacana quando o ativista é tão consumido pelas próprias convicções que perde as estribeiras e é lesivo ao excluir pessoas que não pensam exatamente igual a ele ou ela. “É fácil esquecer que mesmo quando você está lutando por algo bom, isso não dá razões para um comportamento mau. E isso não é relacionado apenas aos feministas, mas a todos os ativistas, acho: só porque você acredita em coisas boas, não significa que você não vai agir de modo ruim de vez em quando.”

Ser feminista em 2015, para ela, é enxergar que apesar de muitos direitos terem sido conquistados, ainda há muito a ser feito. “As mulheres ganharam muitos direitos no último século, e muitas pessoas pensam que o feminismo acabou, porque temos tudo que pedimos. Ao mesmo tempo, o feminismo está meio que ‘na moda’ hoje em dia, o que é bom, mas também um pouco assustador, porque como sabemos as modas são instáveis e o que é tendência agora provavelmente não será por muito tempo. O feminismo é mais do que usar uma blusa com os dizeres ‘girl power’, é uma conversa que precisamos seguir tendo.”

Para as meninas que querem se tornar ilustradoras, ela tem alguns conselhos. “Desenhar é como qualquer outra habilidade: quanto mais você pratica, melhor você fica. Você tem que continuar trabalhando, e ser paciente.” Ela alerta: pode demorar para as pessoas notarem o que você faz e é preciso estar preparada para enfrentar muita rejeição. “Eu enfrentei!”, diz.

“As pessoas criativas têm que desenvolver uma casca para continuar fazendo o que fazem, e não fica mais fácil com o tempo, mas você fica melhor nessa função. Tente fazer aliados pelo caminho dando apoio e aprenda com outros artistas. Resista ao ímpeto de competir com os outros: há muito espaço para todos nós sermos incríveis.”

© Ambivalently Yours

“Vou superar isso uma vez que tiver acabado”

 

© Ambivalently Yours

“Não precisamos de protetores, nós queremos aliados”

 

© Ambivalently Yours

“Cuidado com as escolhas que você não escolheu”

 

© Ambivalently Yours

“Fantasmas de ontem a noite sussurrando no meu ouvido”

 

© Ambivalently Yours

“Pare de criar fetiches com meus medos”

Ambivalently Yours
Tumblr: ambivalentlyyours.tumblr.com
Twitter: twitter.com/AmbivalentlyYou
Facebook: facebook.com/ambivalentlyyours
Instagram: instagram.com/ambivalentlyyours

Leia mais textos da Mariana Pasini no Malaguetas, acompanhe suas brisas e viagens no Barulhagem ou dá uma olhada no Pressfolios pra trampos.